Arquivos para o mês de: novembro, 2011

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eu a fragilidade. Você a força que eu gostaria de ter

Eu a inconseqüência. Você razão

Eu o silencio. Você a palavra

Eu peço desculpa. Você diz:  – E daí algum problema?

Eu o exagero. Você a medida certa que eu preciso

Sei que não sou feita só de fragilidades, inconsequência, paciência, coração, desculpas e exagero, você também não é totalmente força, prudência, intensidade, razão, palavras e medidas certas. Talvez seja por isso que estamos juntas.

Ninguém é tão frágil a ponto de não ser forte quando é preciso.

Ninguém é tão inconseqüente a ponto de não pensar algumas vezes antes de agir

Ninguém é tão paciente para não viver certos momentos intensamente

Ninguém põe sempre o coração a frente da razão

Ninguém  tão calado a ponto de não usar as palavras na hora certa

Ninguém pede tantas desculpas, as vezes é necessário falar: E daí, algum problema?

Ninguém é tão exagerado a ponto de não saber usar a medida certa .

Enfim, as vezes eu sou você e você é eu e a gente se completa e a gente se precisa.

Flávia Nascimento – o ano era 2002

 

 

 

 

 

 

Hoje somos a medida certa para o amor, para amar

Eu sou você, você sou eu e sempre será assim

Por que tudo que somos é o que precisamos para ser feliz

 

 

 

 

 

 

 

Flávia Nascimento

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando estou longe

Quero ficar perto

Quando estou perto

Quero ficar dentro

Quando estou dentro

Quero ficar mudo

Quando estou mudo

Quero dizer tudo

Itamar Assumpção

Fui pesquisar

Me aprofundar

Entender

Ler

Descobri que:

Aplica-se a todas ilusões que “enganam” o sistema visual humano fazendo-nos ver qualquer coisa que não está presente ou fazendo-nos vê-la de um modo erróneo. Algumas são de carácter fisiológico, outras de carácter cognitivo.

As ilusões de óptica podem surgir naturalmente ou serem criadas por astúcias visuais específicas que demonstram certas hipóteses sobre o funcionamento do sistema visual humano. Imagens que causam ilusão de óptica são largamente utilizados nas artes

Porém

Meus olhos

Fizeram-me

 entender que:

Aplica-se a todas ilusões que “enganam” o coração humano fazendo-nos ver qualquer coisa que não esta presente ou fazendo-nos ver as pessoas de modo erróneo. Algumas são de caráter maldoso, outras de caráter patológico.

As ilusões de óptica podem surgir naturalmente ou serem criadas por astúcias como palavras e comportamento específicos que demonstram certas hipóteses de que existe algo anormal em certos seres humanos. Pessoas que causam ilusão de óptica podem articular isso até com a arte.

Nova tentativa

Nova busca

Confirmei que:

 Como se dá a ilusão de ótica? Como nos damos conta que a imagem percebida não corresponde a realidade? Pesquisadores do MIT (Harvard) e Mc Gill têm investigado sobre um novo tipo de ilusão que envolve o sentido tátil.
As imagens que causam ambigüidade visual são fascinantes porque faz com que nosso cérebro enxergue uma segunda opção de imagem que normalmente não nos chega a consciência. Este fenômeno conhecido como “rivalidade” ou competividade perceptiva é um dos mais interessantes nos estudos da neurociência. Na verdade este fenômeno faz com que haja uma mudança na percepção visual, a qual é independente da mudança de estímulo, ou seja, o estímulo visual não é modificado, mas sim nossa percepção sobre ele.
Este fato nos faz pensar sobre a consciência. Pois é a experiência consciente que nos permite mudar o ângulo da nossa “visão”, em relação aos estímulos ambíguos. Isto significa dizer que
nossa consciência é que nos possibilita enxergar os vários ângulos de um mesmo objeto ou figura, por exemplo. A percepção humana, através da consciência é bastante flexível!
Moore, principal investigador do instituto do cérebro do MIT foca seu interesse de pesquisa na descoberta dos princípios gerais que regem a percepção e busca encontrar ilusões semelhantes no domínio tátil. Este pesquisador acredita que para termos este tipo de sensação ilusória com os movimentos é necessário, além da memória de curto prazo (fixa a sensação do ultimo movimento), da integração existente entre o sentido da visão e o tato nos que diz respeito às “ilusões”.

Novo sentido

Meus olhos

Fizeram-me

Compreender que:

Como se dá a ilusão de ótica? Como nos damos conta que a pessoa percebida não corresponde a realidade? Imaginem os pesquisadores do MIT (Harvard) e Mc Gill investigando sobre um novo tipo de ilusão que envolve nossos sentidos, até o tátil.
As pessoas que causam ambigüidade são fascinantes porque faz com que nosso cérebro enxergue uma segunda opção de personalidade que normalmente não nos chega a consciência. Este fenômeno conhecido como “rivalidade” ou competividade perceptiva é um dos mais interessantes nos estudos da neurociência. Na verdade este fenômeno faz com que haja uma mudança na capacidade de nossa percepção visual e instintiva a qual é independente da mudança de estímulo, ou seja, o estímulo visual não é modificado, mas sim nossa percepção sobre ele.
Este fato nos faz pensar sobre a consciência. Pois é a experiência consciente que nos permite mudar o ângulo da nossa “visão”, em relação a personalidades  ambíguas. Isto significa dizer que nossa consciência é que nos possibilita enxergar os vários ângulos de uma pessoa, por exemplo. A percepção humana, através da consciência é bastante flexível!
Moore, principal investigador do instituto do cérebro do MIT poderia foca seu interesse de pesquisa na descoberta dos princípios gerais que regem a percepção e busca encontrar ilusões semelhantes no cotidiano. Este pesquisador descobriria  que para termos este tipo de sensação ilusória  é necessário, ainda confiar nas pessoas  e não pensar que podemos sofrer  no que diz respeito às “ilusões”.

Acho que tive uma ilusão de ótica com as palavras!

"Ilusão de óptica, será esta a minha fachada, onde me visto por dentro e me dispo por fora?" Maria Almar Silva

Pesquisas:  Wikipédia/ martabolshaw.blogspot.com  + imagem

Mas de tudo fica um pouco…* 
.
.
.
Do artista fica a expressão da emoção
Da natureza fica a forma perfeita ou imperfeita

Da natureza fica a forma perfeita ou imperfeita

Da história fica a certeza que tudo mudou/ Av. Paulista 1902
Da arte fica a cor e o traço único
Da amizade fica a lembrança de um abraço
Do amor fica o brilho no olhar

Fotografar é arte universal, é desenhar com luz e contraste a mais doce lembrança.

Flávia Nascimento

“É tornar em real evidencia…
A intimidade ilusória de um observar
Na luminosa criação técnica e seu consagrar”

Lufague

*Verso extraído do poema Resíduo de Carlos Drummond de Andrade

Música para ninar, brincar e educar
Música para dançar e festejar
Música para trabalhar
Música para amar, namorar e casar
Música para ouvir, cantar e pensar
Música para relaxar
Música para memorizar, lembrar e chorar
Música para curar, acalmar e elevar
Música para imaginar, impressionar e manifestar,
Música para poetizar

Flávia Nascimento

“Depois do silêncio, o
que mais se aproxima de expressar o inexprimível é a música.”

Aldous Huxley

imagem: internets.m. e s.f. Amador de belas-artes, especialmente de música. / P. ext. O que se ocupa de qualquer assunto por gosto, e não por obrigação.